aaaaaaaaaaah que gracinha >.<

aaaaaaaaaaah que gracinha >.<

(via amarga-metade)



Eu não deveria ter tido pressa para crescer.
butter, 199 (via demografar)

(via conquista-dora)


Quando pensamos que somos complicadas sempre tem um sujeitinho para provar que estamos erradas. Se a gente esconde o jogo, errou. Se abriu o jogo, errou. Se fez drama, errou. Se não fez nada, errou. Somos os erros que não entendemos e aquela vontade de sempre estrangular quem não se assume ou quem não assume o que sente. Um joguinho para crianças vira rotina na nossas vidas, somos jogadas para escanteio quando não aceitamos as regras do outro, somos lembradas quando a carência bate na porta de cada um deles. Não nasci para ser marionete de ninguém, mas ultimamente vivo pela vontade alheia. É muito complicado tentar adivinhar o que está acontecendo e o orgulho disputa qual lado consegue ser mais complicado. Ficou com ciúmes? Engula, sorria e desapareça. Ficou com raiva? Joga uma ironia na roda e sai como se nada tivesse acontecido. Pagamos de loucas, psicopatas, dramáticas porque nesse jogo a gente não consegue calar. Não conseguimos fechar os olhos para atitudes infantis. E convenhamos que resolver problemas está no nosso sangue feminino. Queremos algo, queremos agora. Parece simples do outro lado, mas quem complica nossas atitudes são esses sujeitinhos que escondem o ouro, que não gritam, que sorriem querendo matar, que cutucam e somem. Sujeitinhos covardes e sem nenhum respeito. Não se joga um drama na mesa e volta atrás como se fosse a coisa mais normal do mundo. Se é para jogar com drama então assuma suas responsabilidades e dê a cara para bater. Dessa maneira nós somos as únicas a apanhar, pois vivemos esperando a hora certa, vivemos aguardando o momento em que tudo será claro e objetivo. Eu ainda sonho com o dia que não vou ter que ficar brincando de adivinhar o que aquela música, frase ou silêncio significou. O primeiro passo é acreditar, o segundo é descobrir quem somos e se realmente vale a pena dar a volta no mundo para entender um simples “sim” ou “não”. Sou indecisa, mas no meu caminho só tem louco silencioso. Loucos para me deixar em banho maria até que a vontade deles seja maior do que o orgulho que trancam as palavras e atitudes em seus peitos estufados de verdades não ditas. Eu quero precisão nas palavras, quero precisão nas atitudes, quero precisão nos significados porque ainda não aprendi como a gente faz para engolir tanto mistério.

- Jana Escremin

Tem um olhar que rouba carinho. Tem um toque que desperta desejo. Tem um julgamento que ameaça. Tem um quê de quem sabe tudo. Tem bons argumentos. Tem bondade quando fala. Tem maldade quando acusa. Tem um jeito cativante. Tem um outdoor de pretendentes. Tem um jeito de quem vai abandonar tudo. Tem segurança de que o mundo é bom. Tem uma voz que silencia. Ele olha como se fosse me despedir, e me convence de qualquer coisa. Tem essa mania de colocar medo, mas plantar amor. É diferente de todos, mas já foi igual. Cutuca na ferida, mas faz carinho no coração. É tanta tempestade que quando vira calmaria, dá nó na garganta. Traz insegurança, mas liberta o que há tempos não conseguia sair do lugar. É o jeito dele que atrai, é a forma como fala e observa. É o carinho que não sente vergonha de ser visto. São as frases e a urgência do tempo que fazem dar certo. É a paz que encontrei sem procurar. É o que já foi ruim se tornando bonito. É o abraço no meio da noite. Não sei ainda o que é, mas despertou o meu interesse no primeiro instante que conheci. Faço uma pesquisa de campo enquanto ele dorme. Dou risada do jeito natural e da tranquilidade do olhar. Diz que preciso pensar melhor, mas quando percebo está pensando muito mais do que eu. Não é impulsivo, mas mexe com a minha impulsividade. É estranho conhecê-lo, admirá-lo e não ter certeza se o conheço de verdade. É do tipo que consegue encaixar todos os seus pedaços sem que sobre espaços aqui dentro. É a importância que dá quando sou vista pelos olhos dele. É o carinho que dá sem pedir nada em troca. É o medo que circula aqui e ali. É diferente de mim, é igual ao que procuro. Por fim, é quem quer ficar, é quem não tem vergonha. É quem engoliu o orgulho por mim, e educa o meu ciúmes cada dia que passa. É o meu coração a bater mais forte quando ele sorri. É o meu coração querendo ser mais dele do que meu. É mais do que posso explicar já que não o entendo por completo, mas sei que já amo.

- Jana Escremin


Digamos que eu não sou uma pessoa de sorte no mundo dos relacionamentos afetivos. Porque de vez em quando conheço uma pessoa e acho que estamos nos dando bem e, de repente, ela deixa de aparecer. Não só para de telefonar, mas age como se eu tivesse uma doença contagiosa, ainda não entendo, isso me incomoda, e me machuca.
Nicholas Sparks. (via transcurar)

(via transcurar)


Que o meu alguém tenha mil defeitos, seja o oposto de todas as minhas idealizações, mas que me ame com o coração e a alma, me respeite, cuide de mim, me proteja. Sem sufocações, sem pressões, um amor leve e sem cobranças. Que a gente não criasse vínculos de dependência, mas que o nosso vício fosse nós. E que seja eterno e leve enquanto dure.
Tati Bernardi (via manuscritto)

(via manuscritto)



Eu torço pra não fazer Sol, eu torço pra não chover, eu torço para acordar no meio do dia, eu torço para o dia acabar logo. Eu torço para ter alguma coisa que me faça torcer, que me diga que eu ainda sei torcer por algo mesmo sem torcer pela gente. Minha dança é queda equilibrada, minhas roupas novas são fantasias, meu sorriso é espasmo de dor, minha caminhada reta é um círculo que sempre me traz até aqui, meu sono é cansaço de realidade, minha maquiagem é exagerada, meu silêncio é o grito mais alto que alguém já deu, minhas noites são clarões horríveis que me arregaçam o peito e nada pode me embalar e aquecer, o frio é interno, o incômodo é interno, nenhum lugar do mundo me conforta. Minha fome é sobrevivência, minha vontade é mecânica, minha beleza é esforço, meu brilho é choro, meus dias são pontes para os dias de verdade que virão quando essa dor acabar, meus segundos são sentidos em milésimos de segundos, o tempo simplesmente não passa.
Tati Bernardi. (via terminar)

(via terminar)